Você consegue definir a sua marca em 140 caracteres?

Maio de 2019

Artigos em destaque

Quantas vezes na vida seu cérebro já não deu um bug ao se deparar com a seguinte pergunta: Qual característica melhor te define? Seja no meio de uma entrevista, de um encontro ou até mesmo na sessão de terapia. A verdade é que sintetizar as nossas qualidades, defeitos, paixões e medos em poucas palavras é um desafio nível hard. É preciso muito autoconhecimento para conseguir chegar a um resultado que seja realmente verdadeiro e relevante.

Guardadas as complexidades do ser humano, a tarefa de fazer isso com a sua marca também não é nem um pouco fácil. 


É por este motivo que definir o posicionamento de uma empresa é tão complexo quanto poderoso, porque significa se colocar em algum lugar e assumir os riscos daquela posição, seja ela qual for. 


O primeiro passo para se posicionar, ou melhor, dizer ao mundo quem é você, é encontrar o propósito da marca: o que ela faz pelas pessoas? E aí, pode passar aquela fita zebrada de cena do crime, porque estamos entrando em um território bem perigoso, onde a maioria das empresas escorrega. 

O que uma marca faz é muito diferente daquilo que ela quer que as pessoas pensem que ela faz. Quando uma empresa comunica como sua principal característica algo que ela não consegue entregar de fato em seu serviço, produto ou experiência, é impossível fidelizar um cliente. Você pode até atraí-los, mas eles não voltam. E ainda colocam a boca no trombone, ou pior, na internê. 


Portanto, autenticidade é fator-chave nessa equação. É mais valioso ser autêntico e transparente ao definir as principais características da sua marca - mesmo que isso pareça menos sedutor - do que frustrar o cliente prometendo algo que não é verdade. 


Um ótimo exemplo disso vem do Starbucks. O primeiro posicionamento definido pela empresa era o de oferecer o melhor café do mundo. O problema? Bom, mesmo amando a sereia verde, a gente sabe que não é bem uma realidade, né? Ao comunicar isso e depois oferecer o produto, a verdade veio à tona, e não foi muito legal não. 

Depois de algumas reflexões, o pessoal pensante percebeu que não era só porque eles eram uma cafeteria que precisavam se posicionar como tendo o melhor café, e entenderam que o Starbucks era muito mais do que um produto, era uma experiência. Foi então que o posicionamento mudou para "o lugar onde pessoas se encontram". 

Se deu certo? Bom, você pode discutir isso com seus amigos quando vocês se encontrarem no Starbucks mais tarde.  


Outra lição valiosa que podemos aprender com essa história é que uma ótima tática na hora de definir sua principal característica, é parar de tentar brigar com outras empresas por uma mesma posição e criar seu próprio espaço, oferecendo algo singular. Você pode não ter o melhor café do mundo, mas tem um ambiente que proporciona uma experiência única enquanto as pessoas bebem café, então se diferencie por isso. Em outras palavras, se não é possível ser o melhor, seja único em alguma coisa. 

Agora, voltando à pergunta inicial, definir a sua marca em 140 caracteres se resume a conseguir responder essas duas questões de uma maneira simples e autêntica: pelo que a sua marca deve ser conhecida e como ela entrega isso?


Por Natália Mamede.