O Inbound Sales não é a novidade do século

Maio de 2019

Artigos em destaque


Já faz um certo tempo que trabalho em vendas. E se você precisa de uma referência sobre este "tempo", é de quando as estratégias de vendas começavam com a impressão de milhares de panfletos para serem distribuídos aleatoriamente em algum ponto movimentado da cidade. Por aí, deu pra ter uma ideia de quanta coisa aconteceu de lá para cá quando falamos da dinâmica do mercado de fazer negócios, não é mesmo?


A sorte é que com o passar dos anos eu e muitos outros profissionais de marketing e vendas aprendemos e sentimos na pele e, principalmente, no bolso, que certas maneiras de vender eram ineficientes, imprevisíveis e tinham um alto custo em dinheiro, esforço e tempo.  Somado ao nosso aprendizado, a internet e o compartilhamento das estratégias das "brilhantes cabeças" dos novos negócios deste século, é que a maneira de vender foi aperfeiçoada consideravelmente nos últimos anos - e não foi nenhuma mágica, era mesmo o Inbound Sales. 


Grandes empresas, como Hubspot, Salesforce e até mesmo a Microsoft adotaram o Inbound Sales para ganhar mais previsibilidade e eficiência em vendas. Em suma, o Inbound Sales é uma continuação das ações de Inbound Marketing - uma estratégia anterior focada em atrair e nutrir possíveis prospects (ou leads) com conteúdos relevantes até serem identificados como potenciais clientes e enviados ao time de vendas. Com as informações sobre os interesses e as necessidades mais latentes dos leads enviadas pelo marketing, os vendedores conseguem se conectar mais rápido e assertivamente para gerar uma solução que o lead está predisposto a comprar. 


Mas calma lá, se você está mesmo pensando que estou aqui para falar que o Inbound Sales é a novidade do século, se enganou! Inbound Sales é a forma mais primitiva de fazer negócios que você pode pensar, afinal: há quanto tempo mesmo nós, seres humanos, nos relacionamos ou nos comunicamos uns com os outros? Se você acertou aproximadamente o cálculo, já estamos de acordo.


No passado as comunidades eram pequenas, as pessoas conversavam, se relacionavam e geravam negócios localmente e ninguém pensava em comprar ou mesmo vender em longas distâncias. Atualmente nossas comunidades são digitais, negócios já nascem para atender o mercado global e entregam produtos e serviços para o mundo inteiro. No entanto, você percebeu o plano de fundo comum a estes lugares tão distintos na linha do tempo? Mude a perspectiva do "onde" para "quando".


Quando construímos relações, geramos credibilidade e permitimos que as pessoas saibam o que, por que e para que vendemos. Estávamos e estamos fazendo Inbound Sales instintivamente há muito tempo, e fazendo de forma correta. Só demos uma deslizada naquela história de panfleto, eu sei.


Atualmente é muito perceptível que as relações foram potencializadas pelas novas ferramentas de marketing e vendas e encontraram metodologias eficazes para gerar negócios. Além disso, apoiaram diretamente a velocidade e a assertividade de interesses nas comunicações entre marcas e consumidores, acelerando a geração de negócios e dando alta eficiência para as operações de vendas. 


Neste cenário, foi quase que naturalmente que paramos de caminhar exaustivamente pelas calçadas atrás de uma empresa e migramos para encontrá-las, no conforto de casa e na velocidade do Wi-Fi, através dos mecanismos de busca. Não ligamos mais aflitos para o amigo wonderlust para pedir a indicação de uma agência de turismo, pois há tanta gente gerando conteúdo orgânico na rede e compartilhando suas incríveis - ou não tão incríveis - experiências com as marcas que a indicação agora é mútua e não mais individual. E, de repente, paramos até de imprimir panfletos (ou quase boa parte de nós).


É, parece mesmo que os tempos são outros e o que posso perceber ao fazer estas analogias, é que não só o tempo, mas também os canais e a velocidade das relações são novos e outros: evoluímos em como e por onde - e até por que - gerar negócios. Ao final, talvez você concorde comigo que não existe nenhuma novidade do século para construir a relação entre as marcas com os seus consumidores para gerar vendas, eu acredito que ainda é a conversa, a boa conversa, aquela com conteúdo relevante, que começa despretensiosa e quando nos damos conta, passou-se um longo tempo. 


Quer saber mais sobre como a Today pode ajudar você a se relacionar com os seus consumidores e construir relações que geram vendas para o seu negócio? Entre em contato com a gente por aqui ou por nossos canais sociais.